ABI - Liberdade de imprensa
FRAUDE EM LICITAÇÃO

MPF denuncia ex-secretário e mais 10 pessoas por suspeita de fraudes em licitações

Os envolvidos foram investigados na Operação Pedágio. A organização criminosa teria desviado mais de R$ 500 mil dos cofres públicos.

10/06/2021 10h24
Por: Vanderlei Filho
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

O ex-secretário de administração de Ji-Paraná (RO), cidade distante 373 km da capital, Jair Marinho, e mais 10 pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público Federal de Rondônia (MPF-RO) por organização criminosa, concussão, corrupção passiva e ativa, além de fraude licitatória e lavagem de dinheiro.

De acordo com o MPF, entre 2012 e 2016 Jair Marinho apresentou patrimônio incompatível com o cargo que possuía. Os bens do secretário aumentaram em sete vezes o valor inicial, com um acúmulo de R$ 508 mil em apenas um ano.

Os envolvidos são investigados na Operação Pedágio, deflagrada pela Polícia Federal desde 2015. A finalidade é apurar fraudes em licitações na administração pública de Ji-Paraná, mais especificamente em obras municipais. São elas:

Revitalização do Parque Ecológico;

Ampliação do Centro de Educação Infantil Ariel Vieira Hilgert;

Reforma na escola Parque dos Pioneiros;

Construção da cozinha do hospital municipal;

Ampliação de Unidade Especializada em Saúde (Centro Diagnóstico por Imagem);

Ampliação da Unidade Especializada em Saúde Clínica Cirúrgica;

Construção de unidade básica de saúde porte II no Residencial Green Park.

Segundo a investigação, o grupo manipulava as licitações a fim de beneficiar as empresas escolhidas. Essas empresas eram pressionadas a pagar propina por ter ganho a licitação.

Até a segunda fase da operação, em 2018, a organização criminosa teria desviado mais de R$ 500 mil dos cofres públicos.

Durante as três fases da operação foram apreendidos um avião de pequeno porte, quantias em dinheiro encontrada na casa de um dos suspeitos e cerca de 16 veículos.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.