ABI - Liberdade de imprensa
ECONOMIA

Juros sobem para pessoas física e jurídica em maio

om uma inflação maior do que o esperado, novos ajustes para cima devem ser feitos pelo Copom.

10/06/2021 17h21
Por: Fernanda Souza
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

A taxa média de juros das operações de crédito registrou alta no mês de maio tanto para as pessoas físicas como para as jurídicas, de acordo com pesquisa da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). Levantamento da entidade, divulgado nesta quinta-feira (10/06), aponta que a taxa para pessoa física passou de 5,8% (96,71% ao ano) em abril para 5,88% ao mês (98,50% ao ano). É a maior taxa de juros desde dezembro de 2019.

Para as pessoas jurídicas, os juros médios subiram de 3,07% ao mês (43,74% ao ano) em abril para 3,12% ao mês (44,58% ao ano) em maio, a maior taxa de juros desde março de 2020. Para o diretor executivo de Estudos e Pesquisas da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, a expectativa de novas altas na Selic foi um dos fatores para a nova elevação de juros.

Nas duas últimas reuniões, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central elevou os juros básicos em 0,75 ponto, levando a Selic de 2% para 3,5%. Com uma inflação maior do que o esperado, novos ajustes para cima devem ser feitos pelo Copom. Elevação dos índices de inadimplência e da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) de instituições financeiras também afeta as taxas médias no mercado.

“Essa provável inadimplência pode ocorrer por causa do fim das carências nos empréstimos, como pausas e carência nas negociações de dívidas; desemprego elevado; fim do pagamento dos auxílios emergenciais; elevação da inflação e seus efeitos na renda; e maior seletividade dos bancos na concessão de crédito”, destacou.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.