ABI - Liberdade de imprensa
FRAUDE EM LICITAÇÃO

Polícia investiga políticos e servidores de 20 municípios acusados de usar empresas de fachada para fraudar o fornecimento de peças de reposição de máquinas

Os alvos são suspeitos dos crimes de corrupção ativa e passiva, além de organização criminosa.

16/07/2021 09h36
Por: Vanderlei Filho
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

Servidores públicos e políticos estão entre os alvos de uma operação da Polícia Civil deflagrada simultaneamente em 19 cidades do Paraná na manhã de quinta-feira (15/07). A suspeita é que eles integrem uma organização criminosa que fraudava licitações por meio de empresas de fachada. Os suspeitos são investigados pelos crimes de organização criminosa e corrupção ativa e passiva.

Ao todo, os mais de 120 policiais envolvidos na operação estão cumprindo 58 mandados de busca e apreensão nas cidades de Alto Piquiri, Goioerê, Juranda, Anahy, Braganey, Campo Bonito, Cascavel, Quatro Pontes, São José das Palmeiras, Ouro Verde, São Pedro do Iguaçu, São Miguel do Iguaçu, Santa Lúcia, Capitão Leônidas Marques, Capanema, Realeza, Catanduvas, Três Barras do Paraná e Rio Bonito do Iguaçu.

A investigação teve início há dois anos. O objetivo inicial era apurar irregularidades em uma licitação feita pela Prefeitura de Missal para a compra de peças de reposição para máquinas pesadas da frota municipal. De acordo com a Polícia Civil, as empresas contratadas pela Prefeitura entregavam peças usadas como se fossem novas, além de superfaturar os preços e deixar de entregar por produtos pagos. Situações semelhantes foram identificadas em outros municípios da região oeste do estado. As fraudes eram acertadas entre os membros da organização, que operavam por meio de empresas de fachada e funcionários laranja, e servidores públicos. Os investigadores encontraram indícios de cometimento de crimes em licitações realizadas entre 2017 e 2019.

"Essa empresa recebeu dessas prefeituras em torno de R$ 2 milhões. Desses R$ 2 milhões, em torno de 30% há indicação de foi pago como propina", conforme a delegada Rita de Cássia Lira.

A polícia civil disse que há indícios de fraudes em licitações em, pelo menos, 20 cidades das regiões oeste e sudoeste.

"Em alguns municípios simplesmente houve o pagamento da vantagem indevida, para facilitar a entrada daquela empresa no município. Em outros municípios nós temos outros tipos de fraudes, como a entrega de peças vendidas como novas, mas sendo remanufaturadas. Em outros municípios a gente tem serviços como se fossem executados, mas foram pagos e não foram executados. Então, cada município a depender a especificidade existe um tipo de fraude", disse a delegada.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.