ABI - Liberdade de imprensa
POLICIA FEDERAL

Amapá é o estado com mais operações da PF contra fraudes em recursos de combate à Covid-19

Foram deflagradas 12 investigações desde o início da pandemia que apuram fraudes em licitações e compra de medicamentos.

22/07/2021 09h22
Por: Vanderlei Filho
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

A Polícia Federal (PF) superou neste mês de julho a marca de 100 operações contra fraudes e desvios em recursos públicos destinados ao combate e enfrentamento à Covid-19. Apesar de ser um dos menores estados do país, o Amapá foi o que teve mais ações no período, com 12 investigações.

Polícia Federal deflagrou uma operação a cada 6 dias no Amapá em 2020; 111 foram presos

Entre as operações do Amapá, foram apuradas denúncias de desvios de medicamentos do ‘kit intubação', fraude na licitação para montagem de hospitais de campanha, irregularidades na compra de medicamentos e desvio de valores do Auxílio Emergencial.

Com 12 operações, o Amapá é seguido por Maranhão (10) e Pernambuco (8). Outros 7 estados foram investigados por irregularidades em recursos da pandemia, segundo a PF. Ao todo, os contratos e serviços investigados atingem cerca de R$ 3,2 bilhões.

Até esta quinta-feira (22/07), foram 4 investigações no estado em 2021. As operações foram batizadas de Anestesia, Tendas de Ouro, Inconcinnus e Ego.

A última operação, batizada de 'Ego', foi deflagrada na terça-feira (20/07). De acordo com a PF, os alvos são investigados por integrar grupo que desviou R$ 65,5 mil de 35 contas de beneficiários do Auxílio Emergencial.

Anestesia: desvio de medicamentos para intubação de pacientes

Tendas de Ouro: desvio de R$ 563 mil em contratação de dois hospitais de campanha

Inconcinnus: fraude de quase R$ 1,5 milhão em compra de medicamentos

Ego: golpes no auxílio emergencial e desvio de R$ 65,5 mil

Outras 8 investigações ocorreram no ano passado e foram batizadas de Vírus Infectio I, Vírus Infectio II, Vírus Infectio III, Expurgo, Panaceia, Máscara de Ferro, Kairós e Asfixia. Foram alvos prefeituras e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

Vírus Infectio I: superfaturamento em EPIs

Vírus Infectio II: buscas na sede da Secretaria de Estado da Saúde

Vírus Infectio III: fraude no pagamento de R$ 4,9 milhões a pequenas empresas

Expurgo: fraude em contratação de empresa

Panaceia: desvio de remédios e testes para o diagnóstico da Covid-19

Máscara de Ferro: superfaturamento na compra de insumos

Kairós: fraudes em recursos da saúde

Asfixia: fraude em licitação e desvio de recursos públicos

As operações foram deflagradas desde o início da pandemia nos municípios de Macapá, Santana, Laranjal do Jari, Vitória do Jari, Pedra Branca do Amapari e Oiapoque.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.