ABI - Liberdade de imprensa
REVELAÇÃO

Filho denuncia seu pai, presidente da Aprosoja, por corrupção em grupo de WhatsApp: "velho trouxa"

O presidente da Aprosoja foi alvo, no último dia (20/08), de busca e apreensão pela Polícia Federal.

31/08/2021 11h35
Por: Fernanda Souza
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

O produtor rural Antônio Galvan, presidente da Aprosoja Brasil, foi exposto por seu próprio filho, Rafael Galvan, em um grupo de WhatsApp dos residentes do luxuoso Condomínio Splendore, em Cuiabá (MT). 

Irritado pelo financiamento dos atos golpistas pelo pai e pelo discurso de que há "corrupção" no STF, Rafael não poupou palavras. "E viva a corrupção! Corrupção é feita dentro de instituições também... Aprosoja... Não é só no Senado e na Câmara dos Deputados... Desde que beneficie a amante... E o presidente o faço... E tem gente que acha ser esperto... Mas o MP está aí para isso... E já já a bomba vai estourar... Aqui se faz aqui se paga!", escreveu.

A referida amante é a advogada Paula Boaventura, madrasta de Rafael. Para ele, Paula é uma "interesseira". 

O pai reagiu: “Mostra pro teu pai aonde que está essa corrupção na Aprosoja? Quero que você me mostre com provas na mão”. 

O jovem não se intimidou e revelou, ainda, que Antônio articulou um contrato milionário para a amante, após ter "traído" a mãe. "Daí o otário traiu a minha mãe 3 anos... Arrumou uma interesseira... kkkk deu contrato milionário para a amante de mais de 1.500.000,00 para ela comprar apartamento... kkkk velho trouxa. Mas já já vc vai ter o seu", prosseguiu.

"Tem pessoas que falam o dia inteiro do STF, de corrupção e bla blá bla. E cresceu fazendo corrupção", criticou. 

Após as revelações, produtores associados da entidade defenderam uma auditoria nos contratos entre Antônio e Paula. O presidente da Aprosoja foi alvo, no último dia (20/08), de busca e apreensão pela Polícia Federal (PF), conforme determinação do Supremo Tribunal Federal (STF).

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.