ABI - Liberdade de imprensa
FRAUDE EM LICITAÇÃO

Empresas laranjas eram utilizadas para fraudar licitações de medicamentos

Segundo as investigações foram identificados produtos adquirido com superfaturamento de cerca de 200%

13/09/2021 09h56
Por: Vanderlei Filho
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

Uma operação do Ministério Público de Goiás (MP-GO) em conjunto com a Polícia Civil (PC) investiga fraudes na compra de medicamentos em Formosa, no Entorno do Distrito Federal (DF). Nesta segunda-feira (13/09) foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão e dois de prisão temporária nas cidades de Valparaíso, Luziânia, em Goiás, e Brazlândia, no DF.

Os alvos da Operação Capésius são empresas distribuidoras de medicamentos e empresários. Estima-se um prejuízo de R$ 2 milhões aos cofres públicos do município de Formosa entre 2020 e 2021. O suposto esquema se valia de licitações fraudadas para o fornecimento de medicamentos com preços superfaturados.

Investigação de fraudes na compra de medicamentos

De acordo com as investigações, que começaram há cerca de seis meses, o esquema utilizava empresas em nomes de “laranjas” e fraudava licitações para o fornecimento de medicamentos. Segundo o MP-GO, foram identificados produtos adquiridos pelo Fundo Municipal de Saúde com superfaturamento de cerca de 200%.

Com o objetivo de direcionar a licitação, os investigados apresentavam orçamentos falsificados de empresas que sequer sabiam da documentação. O preço apresentado era acima dos praticados no mercado, direcionando a licitação para a empresa vencedora, que praticava preço inferior aos demais.

O MP-GO ainda apontou que a compra dos medicamentos era determinada antecipadamente pelo Poder Judiciário, atendendo pedido do próprio MP, com o objetivo de atender pacientes que não conseguiram tal medicamento administrativamente junto à Secretaria de Saúde de Formosa.

O caso segue sendo investigado para identificar outros envolvidos. Caso haja condenação, os investigados podem pegar de seis a vinte anos de prisão.

Operação Capésius

O nome da operação faz referência ao farmacêutico Auschiwitz Victor Capésius, que utilizou seus conhecimentos de forma criminosa e em favor do nazismo, causando a morte de milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial, num período da história que ficou conhecido como Holocausto.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.