ABI - Liberdade de imprensa
REJEIÇÂO

Secretaria da Mulher repudia absolvição por estupro no caso Mari Ferrer

Para a Bancada Feminina, "todas as mulheres brasileiras foram violentadas em seu direito de ir e vir e, principalmente, no direito à sua integridade física".

07/10/2021 18h44Atualizado há 2 semanas
Por: Fernanda Souza
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

A Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, órgão representativo da Bancada Feminina, formada pela Coordenadoria dos Direitos da Mulher e pela Procuradoria da Mulher, divulgou nota pública nesta quinta-feira (07/10) para repudiar a decisão do Tribunal de Justiça de Santa Catarina em absolver o réu André Camargo Aranha no caso de estupro da promotora de eventos Mari Ferrer.

Na nota, a Secretaria da Mulher afirma que é "inadmissível que se possa aceitar como argumento a 'coisificação' do corpo da mulher, com ardis artifícios que não devem prosperar em uma sociedade que se pretende plural e igualitária".

A nota afirma ainda que a bancada feminina da Câmara dos Deputados repudia a utilização da tese de "erro de tipo" para justificar um precedente perigoso e inadmissível da tentativa de positivação do tipo de “estupro culposo”.

"O julgamento é pernicioso, parcial e envergonha o Brasil no cenário nacional e internacional, principalmente pela naturalização do estupro de todos os vulneráveis (crianças, pessoas com deficiência, pessoas idosas e pessoas sem o discernimento necessário), abrindo precedente nefasto e condenável na
pauta da luta da violência contra a mulher no Brasil", diz a nota.

Para a Bancada Feminina, com o julgamento desfavorável de hoje, "todas as mulheres brasileiras foram violentadas em seu direito de ir e vir e, principalmente, no direito à sua integridade física".

Sem punição
"Infelizmente, em nosso País, a cada 11 minutos um caso de estupro é registrado. No entanto, apenas 1% dos agressores são punidos. A sociedade brasileira repudia totalmente estes crimes. O Judiciário tem que dar uma resposta adequada. Não podemos mais aceitar a (re)vitimização e a humilhação a que são submetidas as mulheres, nem teses estapafúrdias sendo acolhidas, afrontando o direito de meninas e mulheres em nosso País. Vamos agir para derrubar qualquer medida que diminua direitos historicamente e arduamente conquistados, mas ainda não efetivamente garantido no Brasil", diz a nota.

"A Bancada Feminina da Câmara dos Deputados se soma no intuito de repudiar qualquer medida que venha ao encontro dos direitos humanos das brasileiras e de todas as mulheres do mundo", finaliza o texto.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.