ABI - Liberdade de imprensa
EDUCAÇÃO

'Brincar é fundamental para o desenvolvimento', diz especialista

Brincadeiras simples, baratas e que podem ser realizadas em família auxiliam na aprendizagem das crianças e dos adolescentes.

12/10/2021 12h17Atualizado há 1 semana
Por: Fernanda Souza
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

Neste dia das crianças a palavra de ordem é brincar, uma atividade que diverte e ao mesmo tempo desenvolve aspectos cognitivos e de aprendizagem de crianças e adolescentes. 

"O brincar é isso: ajuda a criança a organizar o seu pensamento, desenvolver as funções executivas, planejar e organizar a brincadeira e brincar é fundamental para o desenvolvimento das crianças", explica a psicopedagoga Ivone Scatolin Serra. 

Brincar é considerado pela ONU (Organização das Nações Unidas) um direito universal e é durante a brincadeira que a criança desenvolve habilidades básicas como a coordenação motora, aspectos cognitivos, sociais e emocionais. O ato de brincar também contribui para a aprendizagem ao ajudar no desenvolvimento da concentração, nas interações sociais e no raciocínio.

"Sabemos o quanto é importante o brincar para o desenvolvimento infantil, no entanto, muitos pais e famílias não reconhecem o brincar como algo essencial para a criança ou até reconhecem, mas não sabem como propiciar condições, espaços e materiais", comenta. "Na verdade, não é preciso muito, mas é necessário estimular."

O que não significa largar as crianças e os adolescentes nos eletrônicos. "A criança passa horas sozinha no quarto ou na sala, cada um com seu equipamento eletrônico, no seu mundinho e a criança no brincar solitário, o que não é bom. Uma criança que passa horas assim pode estar desenvolvendo problemas de comunicação e relacionamento interpessoal, é importante que os pais fiquem atentos a essa questão", explica a psicopedagoga.

Vale investir na criatividade e em momentos em família, a dica é resgatar brincadeiras da infância. Com uma folha de papel dá para brincar de stop. Em casa, também é possível resgatar soletrando, jogo da velha, teatro, dramatização com fantasias (objetos que tem em casa, a roupa dos pais). Em um ambiente externo, como um parque, é possível brincar de amarelinha, rodas, ciranda, pega-pega.

"Resgatar jogos de tabuleiro para ativar áreas do cérebro diferentes daquelas usadas pelos eletrônicos, que as crianças estão tão acostumadas", explica. "Jogos como pega varetas, dama, dominó também são importantes para o desenvolvimento cognitivo, assim como os blocos de montar."

A psicopedagoga conta que "muitas crianças chegam ao consultório encaminhadas pela escola porque não sabem brincar, não conseguem interagir com as outras, se pensa que podem estar dentro do expectro autistas, mas muitas vezes faltou estímulo".  Para ajudar, uma dica é usar massinha de modelar. "A massinha auxilia na atenção, na concentração, desenvolve a coordenação motora fina, reduz a ansiedade, proporciona expressões de uma ampla variedade de emoções e ainda ajuda no simbólico quando a criança brinca com pratinhos, panelinhas, talheres."

"O mais importante é que as famílias possam ficar juntas e resgatar a interação, os pais devem pensar que estão ajudando no desenvolvimento dos filhos e junto com tudo isso, uma boa dose de afeto e carinho, porque o brincar junto propicia isso — brincar é fundamental."

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.