ABI - Liberdade de imprensa
DEMISSÃO

Fiscal do SUS é demitido por ‘perseguir’ prefeito em operações

Nos documentos anexados à denúncia, aparecem várias postagens do ex-chefe do Denasus acusando a gestão do prefeito de corrupção.

13/10/2021 09h10
Por: Vanderlei Filho
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

O chefe do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus) de Mato Grosso, João Paulo Martins Viana foi exonerado do cargo por suspeita de perseguição à gestão do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) em Cuiabá através das operações Curare e Colusão, da Polícia Federal. A exoneração de Viana ocorreu na última sexta-feira (08/10) após publicação no Diário Oficial da União.

A saída é fruto de uma denúncia feita por Emanuel junto ao Ministério da Saúde, Corregedoria do Denasus e na Controladoria Geral da União (CGU), protocoladas no dia (23/08). Na acusação, a Prefeitura de Cuiabá aponta a parcialidade do fiscal do SUS em auditorias e fiscalização que foram conduzidas por João Paulo Viana. Isso porque nas redes sociais do fiscal, se manifestou inúmeras vezes desde o ano passado, ‘evidente desapreço pela atual gestão municipal’.

‘Referido documentos traz elementos suficientes que demonstram um envolvimento político partidário do referido auditor com grupo político adversário da atual gestão municipal, situação por si só suficiente para macular qualquer comportamento neutro e isento quando da realização das atividades de fiscalização/auditoria’, diz trecho da denúncia.

Nos documentos anexados à denúncia, aparecem várias postagens do ex-chefe do Denasus acusando a gestão Emanuel Pinheiro de corrupção e apoiando a candidatura do ex-vereador Abílio Júnior (PODE) nas eleições do ano passado.

‘Importante salientar que o auditor do Sistema Único de Saúde, João Paulo Martins Viana, em suas  postagens emite juízo de valor sobre várias situações relacionadas a atual gestão municipal, cujos fatos sequer foram objetos de condenação pelo

Poder Judiciário, evidenciando nítida intenção de atingir os integrantes do grupo político adversário’, diz outro trecho da denúncia.

Em uma das postagem, João Paulo critica uma obra da prefeitura. ‘Essa aqui é uma obra com menos de 90 dias de entrega, é esse tipo de obra que você quer para Cuiabá? Diga não à corrupção 19 neles. Seu dinheiro não é capim’, afirmou no dia 28 de novembro de 2020.

‘Por um político corrupto faz de tudo para ficar no poder? Por que Emanuel Pinheiro está desesperado? Qual o limite para ficar no poder? 19’, completa em outra postagem. Para a Prefeitura de Cuiabá essas postagens seriam provas de perseguição por parte do ex-chefe do Denasus, que chegou a assinar os pedidos das operações Curare e Colusão, da Polícia Federal, realizadas neste ano na Secretaria Municipal de Saúde. ‘Lugar de Mané Pinheiro é no Carumbé. 19 neles’, disse João Paulo.

Outro ponto levantado na denúncia que resultou na exoneração do chefe do Denasus em Mato Grosso, foi a sua participação no episódio dos medicamentos vencidos encontrados no Centro de Distribuição de Medicamentos e Insumos de Cuiabá (CDMIC).

João Paulo estava juntamente com os vereadores da oposição no dia da descoberta, porém, não teria se identificado.

‘De acordo com o próprio Ministério da Saúde, os servidores públicos federais que atuam no âmbito do Departamento

Nacional de Auditoria do SUS devem atuar de forma isenta, evitando situações de conflito de interesses ou quaisquer outras que afetem sua objetividade, de fato ou na aparência, ou comprometam seu julgamento profissional’, alega a prefeitura.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.