ABI - Liberdade de imprensa
EXPLICAÇÃO

Banco Central atribui alta da inflação a ‘fatores globais’

Em 2021, a taxa Selic passou de 2% para 9,25% anuais.

11/01/2022 18h35
Por: Fernanda Souza
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, publicou nesta terça-feira (11/01) carta aberta encaminhada ao ministro da Economia e presidente do Conselho Monetário Nacional, Paulo Guedes, na qual explica os fatores que levaram a inflação a terminar o ano de 2021 em 10,06%, que ficou bem acima do teto da meta, que era de 5,25%.

Segundo Campos Neto, os principais fatores que levaram ao estouro da meta foram a forte elevação dos preços de bens, em especial os preços de commodities; bandeira de energia elétrica escassez hídrica, acionada em setembro devido à crise energética; e desequilíbrios entre demanda e oferta de insumos, o que gerou gargalos nas cadeias produtivas globais.

O presidente diz que dois desses fatores foram “fenômenos globais”, ou seja, não restritos ao Brasil. “De fato, a aceleração significativa da inflação em 2021 para níveis superiores às metas foi um fenômeno global, atingindo a maioria dos países avançados e emergentes.”

No documento, o presidente do Banco Central também ressalta que o Comitê de Política Monetária (Copom) já sinalizou considerar “apropriado que o ciclo de aperto monetário avance significativamente em território contracionista”.

Com isso, Campos Neto indica que os juros devem subir ainda mais este ano, em uma tentativa de segurar os preços. Em 2021, a taxa Selic passou de 2% para 9,25% anuais.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.