Quinta, 19 de Maio de 2022
17°

Poucas nuvens

Teixeira de Freitas - BA

Política e Poder FRAUDE

PL quer impedir contratação por 5 anos de sócio de empresa condenada por fraude em licitação

Segundo o PL, o envolvimento em fraude de licitação ou contrato pode ocasionar o bloqueio do CNPJ da empresa.

02/05/2022 às 20h51
Por: Fernanda Souza
Compartilhe:
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

O Projeto de Lei 680/22, que está tramitando na Câmara dos Deputados, quer alterar o código penal para impedir sócios de empresas condenadas por fraude em licitação ou obra pública de participar de novas licitações e contratações públicas pelo prazo de cinco anos.

Licitação é o procedimento administrativo oficial e constitucionalmente previsto para a contratação de serviços e compras de produtos pela Administração Pública de forma direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

Segundo o PL, de autoria do deputado federal Loester Trutis (PL-MS), o envolvimento em fraude de licitação ou contrato, cuja pena prevista é de 4 a 8 anos de prisão e multa, pode ocasionar o bloqueio do CNPJ da empresa e do CPF de todos os sócios. O texto prevê também o descredenciamento dos sistemas de cadastramento de fornecedores.

Para Wilson Sahade, advogado especialista em direito administrativo e sócio do Lecir Luz e Wilson Sahade Advogados, o principal impacto do Projeto de Lei, caso aprovado, “é de impedir que membros dessas empresas utilizem seus CPFs para abertura de novos CNPJs a fim de participar de contratações ou licitações. Ademais, o fornecedor punido em certo Estado também não integra outras licitações em Estados diferentes e com a União”.

Segundo a advogada especialista em Direito Público, Gabriella Miranda, o PL é “positivo” e “reforça o combate à corrupção”, quando prevê a inclusão de tal sanção ser estendida aos sócios, com o bloqueio do CPF junto à Administração Pública, além de coibir a prática de burlar o sistema de idoneidade nas contratações públicas, quando os mesmos migram para novas empresas com respectivos CNPJ desimpedidos.

“Vale destacar apenas que tal nova restrição deveria abarcar apenas a figura do sócio majoritário, cujo função de gerência e administração da empresa lhe cabe, e, portanto, sendo o responsável pelas decisões e ações delituosas. Não podendo presumir dolo dos demais sócios cotistas minoritários, cuja autonomia decisória não lhes cabia ou lhes foi dada sequer ciência”, afirma Gabriella Miranda.

Já o advogado Pedro Henrique Costódio Rodrigues, especialista em direito administrativo, entende que a alteração é bastante pertinente, uma vez que representa uma efetiva penalidade ao gestor da empresa condenada.

“Atualmente, a sanção é aplicada à pessoa jurídica, sendo possível que o sócio constitua nova empresa e continue contratando com a Administração Pública. Considerando que a fraude em licitações é considerada crime – cujas responsabilidades devem ser apuradas na esfera criminal – nada mais adequado que no âmbito administrativo a sanção também se estenda à pessoa física do sócio gestor. Certamente, a novidade representará mais um elemento para o combate às ilegalidades cometidas em processos licitatórios”, conclui o especialista.

O texto será analisado, em caráter conclusivo, pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Teixeira de Freitas - BA Atualizado às 22h04 - Fonte: ClimaTempo
17°
Poucas nuvens

Mín. 15° Máx. 27°

Sex 28°C 13°C
Sáb 28°C 16°C
Dom 27°C 17°C
Seg 26°C 17°C
Ter 28°C 18°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes