WhatsApp

73 99859-0076

ABI - Liberdade de imprensa
Corrupção

Queiroz soube de relatório na PF em agosto de 2019, em fase sigilosa de investigação

Defesa do ex-assessor de Flávio Bolsonaro foi informada de inquérito no mesmo mês em que presidente tentou trocar delegado no RJ

21/05/2020 08h49
Por: Valeria Alves
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

A defesa de Fabrício Queiroz, amigo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), foi informada em agosto do ano passado sobre a existência de um inquérito sigiloso da Polícia Federal no Rio de Janeiro que mencionava o seu cliente. 

De acordo com a reportagem, naquele mesmo mês, o presidente decidiu demitir o então chefe da superintendência da corporação no Rio e chegou a tentar emplacar um nome de sua escolha, o que não conseguiu.

Nessa investigação sigilosa, Flávio e Queiroz são citados em relatório federal do Coaf, órgão de inteligência financeira, sobre movimentações suspeitas. Nenhum dos dois, contudo, é alvo da apuração.

As circunstâncias do acesso a esse caso são semelhantes àquelas narradas à Folha pelo empresário Paulo Marinho, suplente de Flávio no Senado e seu atual adversário político.

Segundo Marinho, em outubro de 2018, um delegado da PF avisou assessores de Flávio que documento em posse da Operação Furna da Onça, à época ainda na fase de investigação sigilosa, havia detectado suspeitas sobre Queiroz. Nenhum dos dois era alvo da apuração.

Ainda conforme a Folha, esse novo caso ocorreu em agosto do ano passado, mês em que iniciou a crise entre Bolsonaro e a Polícia Federal em torno da superintendência da corporação no Rio de Janeiro.

Trata-se de uma investigação aberta com base num dos já conhecidos relatórios do Coaf, produzido em julho de 2018, que tem dez personagens principais — entre eles Queiroz e Flávio.

O advogado Paulo Klein, que defendia Queiroz, afirmou que não se pronunciaria por não atuar mais no caso.

A reportagem diz que não conseguiu localizar o policial militar aposentado.

A PF, por sua vez, disse que não comenta investigações.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.