WhatsApp

73 99859-0076

ABI - Liberdade de imprensa
PRISÃO

Prefeito e vice-prefeito são presos suspeito de envolvimento em esquema criminoso de desvios de recursos públicos

Outros três presos são um funcionário da prefeitura e dois empresários que estavam envolvidos no esquema criminoso.

11/09/2020 07h52Atualizado há 2 semanas
Por: Vanderlei Filho
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

O prefeito de Agrestina, distante 172 km de Recife, Thiago Nunes, (MDB), e o vice-prefeito, Zito da Barra (MDB), foram presos durante uma operação da Polícia Federal. A apreensão aconteceu na casa de Thiago Nunes na manhã da quinta-feira (10/09). Em seguida, os políticos foram levados para a Delegacia da PF em Caruaru, para prestar esclarecimentos. O vice-prefeito se sentiu mal e foi atendido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

Cofre da casa do prefeito de Agrestina — Foto: Polícia Federal/Divulgação

Por meio da assessoria, os advogados dos políticos disseram que Thiago Nunes e Zito da Barra foram apenas prestar esclarecimentos para polícia, e que não houve prisão.

De acordo com a Polícia Federal, os outros três presos dentro da terceira fase da Operação Pescaria são um funcionário da prefeitura de Agrestina, e dois empresários que estavam envolvidos no esquema criminoso. Os nomes não serão revelados. Uma quantia de R$ 110 mil foi encontrada dentro de um cofre na casa de um dos suspeitos.

Casa do prefeito de Agrestina — Foto: Polícia Federal/Divulgação

A PF está cumprindo mandado de busca e apreensão de documentos na Prefeitura de Agrestina, no Agreste de Pernambuco. Essa é a terceira fase da Operação Pescaria, com o propósito de dar continuidade às ações repressivas iniciadas no ano de 2018 para desarticular uma Organização Criminosa especializada no desvio de recursos públicos.

As duas fases que antecederam a Operação Pescaria 3 foram deflagradas respectivamente em fevereiro e março de 2019. Os crimes investigados na atual fase da operação são de organização criminosa, peculato, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

A defesa do prefeito Thiago Nunes emitiu uma nota dizendo que não vai comentar o caso em detalhes. "O escritório Rigueira, Amorim, Caribé, Caúla & Leitão, que patrocina a defesa do prefeito de Agrestina/PE, Thiago Nunes, informa que ainda não obteve acesso aos autos da investigação em trâmite perante o Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Por este motivo, reserva-se a não se pronunciar, por enquanto, sobre o caso em específico, antecipando apenas que entende a prisão preventiva do prefeito como medida desproporcional, já que o prefeito nunca havia sido intimado para prestar qualquer esclarecimento no interesse da investigação".

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.