ABI - Liberdade de imprensa
TRISTEZA

Cabeleireira conta que Henry já ligou para a mãe perguntando se a atrapalhava

"Mãe, eu te atrapalho? O tio disse que te atrapalho" em resposta, Monique diz que ele não a atrapalharia de maneira alguma.

15/04/2021 14h54Atualizado há 4 semanas
Por: Fernanda Souza
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

A Polícia Civil ouviu na quarta-feira (14/04) pelo menos mais três testemunhas no inquérito que investiga a morte do menino Henry Borel. Além da irmã do vereador Dr. Jairinho (sem partido) e da empregada doméstica Rosângela Mattos, a Rose, uma cabeleireira que atendeu a professora Monique Medeiros no dia (12/02) também prestou depoimento na 16ª DP (Barra da Tijuca). 

A profissional contou em detalhes uma conversa de vídeo chamada entre mãe e filho, que presenciou no momento em que ela atendia Monique em um salão no Shopping Metropolitano, na Barra da Tijuca. Segundo ela, Henry iniciou a ligação questionando a mãe se ele a atrapalhava. "Mãe, eu te atrapalho? O tio disse que te atrapalho". Em resposta ao filho, Monique disse que ele não a atrapalharia de maneira alguma. 

A mulher seguiu acompanhando a conversa e percebeu o momento em que Monique perguntou para o filho o que tinha acontecido e porque ele estava chorando. "O tio bateu" ou "O tio brigou", respondeu. Logo depois pediu para que a mãe voltasse para casa logo "mamãe, vem pra casa logo". Após a conversa com o filho, a babá Thayna de Oliveira Ferreira filmou Henry mancando. 

Ainda segundo a cabelereira, minutos depois de conversar com o filho Monique recebeu uma ligação que seria de Jairinho. Ao atender o telefone, Monique iniciou a conversa nervosa e dizendo que: “Você nunca mais fale que meu filho me atrapalha, porque ele não me atrapalha em nada", e continuou “você não vai mandar ela embora, porque se ela for embora, eu vou junto. Porque ela cuida muito bem do meu filho. Ela não fez fofoca nenhuma (em referência à babá). Quem me contou foi ele”.

Ao fim da conversa, a professora respondeu da seguinte forma para Jairinho "Quebra, pode quebrar tudo. Você já está acostumado a fazer isso".

Depois de ter sido atendida, Monique saiu do salão apressada. A profissional diz que conheceu a professora em janeiro deste ano, quando ela esteve pela primeira vez no estabelecimento.

Segundo a cabeleireira, Monique esteve em outras duas ocasiões no salão. A última, no dia do sepultamento do filho. A moça revela que soube que a professora era mãe de Henry através dos noticiários. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.