ABI - Liberdade de imprensa
COMPLICADO

Segundo os empresários, a medida de Bolsonaro para ‘salvar emprego’ é tardia

O IDV foi uma das entidades que vinha avisando o governo que, se a flexibilização trabalhista não fosse liberada, haveria o risco de demissões em massa.

28/04/2021 10h30
Por: Fernanda Souza
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

Representantes do empresariado brasileiro definiram como tardia as ações adotadas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para tentar “salvar empregos”.

Bolsonaro assinou na terça-feira (27/04) um conjunto de ações que inclui flexibilização trabalhista, com liberação do corte de jornada e salário.

Apesar da critica pela demora de ação do presidente, a avaliação é que as medidas ainda são úteis. Elas chegam no momento em que a fase mais dura do fechamento do comércio ficou para trás, mas ainda servirão para adequar os expedientes dos negócios que continuam operando com horário reduzido.

É o que indica o presidente da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), Paulo Solmucci, que prevê forte adesão.

“Mas o remédio não salvará como se esperava se tivesse saído dentro do prazo prometido ou pouco maior. Na hora certa, teria evitado a UTI. Agora representa manter o oxigênio, mas não reverte o estado crítico”, afirmou à coluna Painel, da Folha.

Presidente do IDV, entidade que reúne as grandes varejistas do país (como Riachuelo e C&A), Marcelo Silva disse que a expectativa é que a maioria das empresas optem por aderir aos cortes de jornada e salário, exceto as que não tiveram restrição de funcionamento, como farmácias e supermercados.

O IDV foi uma das entidades que vinha avisando o governo que, se a flexibilização trabalhista não fosse liberada, haveria o risco de demissões em massa.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.