ABI - Liberdade de imprensa
OPERAÇÃO

Polícia Federal deflagra operação em combate a fraudes no Auxílio Emergencial

Segundo a PF, foram identificadas irregularidades de alta complexidade em auxílio emergencial.

11/05/2021 10h41Atualizado há 1 mês
Por: Fernanda Souza
Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

A Polícia Federal (PF) realizou, na manhã desta terça-feira (11/05), nova fase da operação Subitis Auxilium 2.0 para combater fraudes ao Auxílio Emergencial em Minas Gerais.

A ação policial conta com 14 mandados de busca e apreensão, 39 bloqueios de contas bancárias e 13 medidas cautelares diversas da prisão de responsáveis por empresas investigadas.

Todas as decisões judiciais foram expedidas pela 11ª Vara Federal de Belo Horizonte e cumpridas por 60 policiais federais em 11 cidades: Belo Horizonte, Betim, Ribeirão das Neves, Sabará e Santa Luzia (Região Metropolitana); Nova Serrana e Carmo da Mata (Centro-Oeste); Jacutinga (Sul); e Ituiutaba e Uberlândia (Triângulo).

De acordo com a PF, as medidas são parte de uma Estratégia Integrada de Atuação contra as Fraudes ao Auxílio Emergencial (EIAFAE), com a participação do Ministério Público Federal (MPF), Ministério da Cidadania (MCid), Caixa, Receita Federal (RF), Controladoria-Geral da União (CGU) e Tribunal de Contas da União (TCU).

Objetivo é identificar a ocorrência de fraudes e desarticular a atuação de crimes. Segundo a PF, foram identificadas irregularidades de alta complexidade em auxílio emergencial que utilizaram modelos sofisticados de execução.

As informações iniciais são da Base Nacional de Fraudes ao Auxílio Emergencial (BNFAE) da PF, que reúne dados de comunicações de irregularidades referentes ao pagamento fraudulento do auxílio, após terem sido analisados e confirmados pela Caixa.

Por meio do cruzamento desses dados, foi possível identificar beneficiários de valores vindos de contas contestadas por fraude junto à Caixa e que foram utilizados para efetuar diversas compras em estabelecimentos comerciais, por intermédio de máquinas de cartão de crédito/débito e compras virtuais, com indícios de conivência por parte de seus responsáveis legais e/ou funcionários.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.